O que é Network Attached Storage (NAS): características e funcionalidades


25 Nov
25Nov

Este artigo faz parte de uma série de conteúdos que serão produzidos, divulgados e compartilhados por meio deste Blog e mídias sociais sobre diversos temas associados a segurança de dados, continuidade de negócios, contingência e prevenção contra os efeitos diretos e/ou colateral diante da ocorrência de fraudes, ciberataques ou desastres que envolvem a infraestrutura de TI de uma empresa ou mesmo a simples perda, furtou ou roubo de uma dispositivo móvel. 

Network Attached Storage (NAS) são equipamentos destinados para o armazenamento de dados que são acessados por meio de uma conexão de rede local. É um hardware que possui processador (CPU), memória, placa de rede, fonte de alimentação e disco rígido. É um tipo de hardware que possui característica mais complexa do que um Hard Disk (HD) externo e estão preparados para armazenar dados de uma empresa ou  mesmo dados de cunho pessoal.

Dotados de mais inteligência do que computadores ou servidores convencionais,  executa funções com alta performance, pois é um hardware totalmente dedicado as operações de armazenamento de dados, além da execução de rotinas de proteção contra o acesso não autorizado, mecanismos contra perda de dados relacionados a falha de hardware e/ou software. A configuração e administração do conteúdo armazenado é usualmente feita por meio de um painel de controle acessível via Web. 

Por se tratar de um hardware destinado exclusivamente a armazenamento de dados, possui algumas características específicas como fonte de alimentação de energia redundante e mecanismos de configuração do conjunto de disco (HD) com uma tecnologia chamada de Redundant Array Independent Disks (RAID). Esta tecnologia pode ser configurada por software ou hardware, sobretudo quando o equipamento possui  a funcionalidade de Hot Swap, ou seja, um HD pode ser trocado mesmo quando  o equipamento estiver em funcionamento. Isto garante a continuidade do funcionamento do sistema, sem a necessidade de paralisação das atividades da empresa. É um dispositivo essencial para as empresas que querem implementar estratégias de segurança de dados e continuidade dos negócios. 

A configuração básica de um NAS é composta por no mínimo dois HD´s que podem gravar o mesmo conteúdo  simultaneamente em ambos, mantendo os dados intactos mesmo que um deles apresente defeito. Essa proteção só é possível porque os discos estão trabalhando em conjunto, configurados num único arranjo conhecido como RAID 1, Redundant Array of Independent Disk, ou arranjos de discos independentes.  RAID é a tecnologia voltada para obter maior performance e/ou manter sistemas de armazenamento funcionando em caso de falhas. Existem vários tipos de RAID, os quais foram  desenvolvidos para atender diferentes  níveis de segurança para os dados armazenados. Basicamente a lógica do RAID é o espelhamento  do conteúdo dos discos para criar uma contingência para o caso de falhas inesperadas. Nesse arranjo é possível obter capacidades brutas, como por exemplo,  entre 2Tb (2 x HD 1Tb) , 12 Tb (2 x HD 6 TB) e 24Tb (2 x HD 12Tb). 

Para melhor entender, citamos também uma configuração mais complexa e robusta que é o  RAID 5, que necessita de no mínimo três HD´s para ser implementado, disponibilizando a capacidade útil de apenas dois dos discos. Um storage de 30Tb (3x HD 10TB) disponibilizará em torno de  20TB de espaço útil, suportando a falha de qualquer um dos discos agrupados. Esse arranjo é especialmente útil em sistemas com 8 HD, pois utiliza apenas um dos discos do arranjo. Um equipamento configurado com RAID 5 com capacidade bruta de 96TB (8x 12TB) disponibilizará para utilização 84TB de espaço útil. 

Com ferramentas como verificação do funcionamento de seus componentes, o NAS pode gravar o seu conteúdo em mais que uma unidade de disco, usar uma ou mais portas de rede para comunicações e informar o administrador quando, por exemplo, um disco ou porta de rede falha, possibilitando assim a substituição das partes defeituosas antes da parada total do sistema.

Quando se fala em continuidade de negócios, a adoção do dispositivo NAS configurados com RAID, oferece mais segurança de dados, disponibilidade de acesso e contingência. Existem  atividades de negócios que operam 24 horas por dia e  7 dia por  semana, e, em  hipótese alguma podem paralisar o seu acesso aos dados seja por razões de falha de sistema, hardware ou mesmo sinistros relacionados com desastres naturais ou provocados, pois um HD é um dispositivo eletro-mecânico, o qual está sujeito a desgaste natural com o passar do tempo e intensidade de uso. É certo que em uma data futura um dos  dispositivos irá falhar e é neste momento que contingência fará valer a sua real função. 

Vale ressaltar que já existem disponível no mercado, dispositivos NAS e com RAID configurado voltado para uso pessoal e/ou residencial, pois com o avanço da tecnologia na área pessoal tem sido notório, bem como a produção de dados pessoais que se avolumam a cada dia mais, sobretudo com o advento da produção de fotos e vídeos em formato digital que facilmente atingem a cada dos três dígitos. Este material digital passa a fazer parte de um importante acervo digital de famílias que são compartilhados, mas carecem de guarda segura e perene ao longo do tempo. 

Fabricantes como Qnap, Seagate, Lacie , DELL e Synology, dentre muitos outros fabricantes, tem disponibilizado soluções NAS para usuários pessoais e empresarias, incluindo grandes datacenters, partindo de pequenos dispositivos rotulados como  Personal NAS ou Personal Cloud  que são compostos por dois HD´s  até sistemas de armazenamento com centenas de discos.

Em nosso próximo artigo, abordaremos com mais detalhes as características e funcionalidades do RAID.